Publicidade

Posts com a Tag Stepan Grapelli

domingo, 30 de setembro de 2012 outras | 12:21

JAY-Z ABRE A BLACK HOUSE E LANÇA NOVO UNIFORME DO BROOKLYN NETS

Compartilhe: Twitter

O Barclays Center, lar do Brooklyn Nets, foi aberto na última sexta-feira. E com um show de Jay-Z, um dos proprietários da franquia. Um espetáculo; no melhor estilo deste que é um dos maiores rappers da atualidade.

Em agosto de 2010 eu assisti a um show de Jay-Z no Radio City Music Hall de Nova York. Foi, seguramente, uma das maiores performances que eu vi na vida. E olha que eu já vi muita coisa boa nessa vida, especialmente de jazz, minha música favorita. Assisti ao vivo Oscar Peterson (foto), Sonny Rollins, Gil Evans, Chick Correa, Modern Jazz Quartet, Ahmad Jamal, Wayne Shorter, John Pizarelli, Diana Krall, Nicholas Payton, Ray Charles, Christian Scott, Dizzie Gillespie, Joe Pass, Milt Jackson, Mike Stern, Stanley Clarke, Joe Zawinul, Philip Catherine, John Luc-Ponty, Pat Metheny, John McLaughlin, Stepan Grapelli, Wynton Marsalys, Branford Marsalys, Jimmy Smith, Cyrus Chestnut, George Benson, ufa!, tem mais, mas assim, de supetão, eu não me lembro de todos.

Gente da pesada. Se você gosta de jazz sabe muito bem do que falo. E quando eu vi o show de Jay-Z no Radio City, não nutria grande expectativa. Mas foi como uma paulada na moleira. A rap music é espetacular. Num primeiro momento, você pode ficar com um pé atrás. Mas se você deixar de lado o preconceito (especialmente se você é um cara que gosta de jazz como eu) e se entregar de corpo e alma à música, verá que ela trilha por caminhos jamais trilhados anteriormente. O rap subverte a estrutura musical. A percussão, pra mim, é emblemática: não tem uma lógica linear, vem sempre num contratempo subvertido, que dá a impressão de que tudo vai se perder a qualquer momento. Mas não acontece nada disso.

E ao contrário do jazz que é uma música mais contemplativa, o rap faz do espectador um elemento importante dentro daquele universo de interação pura entre música, artista e fãs. No show que vi no Radio City a parte próxima ao palco não tinha as poltronas. Foram retiradas. Ficou o pessoal do “geraldino”. Se você é do meu tempo, sabe do que falo. No Maracanã do passado, quem ia de arquibancada era chamado de “Arquibaldo”, quem ia de geral eram os “geraldinos”.

Quando falo em “geraldino” em um show de rap, falo daquela galera que se mergulha literalmente de cabeça no show. Que põe pra fora os “iás-iás”, como dizia o saudoso Ezequiel Neves, um dos maiores críticos de rock de todos os tempos, um cara que marcou minha adolescência. Gostava de seus textos e de suas ideias. Ezequiel que se autoapelidou de Zeca Jagger. O cara era o primeiro aluno da classe na matéria Rolling Stones no Brasil. Então, o pessoal do “geraldino”, eu dizia, num show de rap music põe pra fora os “iás-iás”, integra-se à música e dá um colorido todo especial ao show. Creio que 90% daquela galera que compõe o “geraldino” são de negros. E os negros, a gente bem sabe, são um povo sensorial, instintivo. Os brancos, ao contrário, são engessados. Não sabem usar o corpo como os negros usam. Podemos ver isso nos esportes, onde eles dominam quase que de cabo a rabo. Então, num show de rap, os “geraldinos” são basicamente formados de negros. E eles se integram ao espetáculo, interagem. Coisa de louco, só vendo mesmo.

E eu vi.

E na sexta-feira passada, quase 20 mil pessoas foram ao Barclays Center e também viram Jay-Z, como eu em 2010 no Radio City. Foi o show que marcou a abertura do ginásio do BK. The Black House, assim está sendo chamado o Barclays Center. Jay-Z usou a camisa oficial do time, a negra. Vestiu o calção por cima da calça. Ficou muito legal (foto).

O BK tem as cores do San Antonio em quadra: branco e preto. Mas o uniforme do BK ficou muito mais bonito. Sabem por quê? Porque O SAS é um time de brancos, enquanto que o BK é um time de negros.

Abelardo Sampaio, um de nossos parceiros, mandou o link de dois momentos do show. Não gostei muito. Por isso, deixo abaixo pra vocês curtirem o tema “Empire State of Mind”, canção de Alicia Keys e que foi transformada em um rap por Jay-Z. Os dois dividem o palco. E pra encerrar eu pergunto: quem é mais bonita, Alicia ou Beyoncé?

E não se esqueçam de me seguir no Twitter: @FRSormani. Nos próximos dias vou postar algo importante por lá.

Bom domingo a todos.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,