Publicidade

Posts com a Tag Kendrick Perkins

domingo, 19 de agosto de 2012 NBA | 15:06

RENOVAÇÃO DE IBAKA COM OKC PODE SER A PONTA DE UM ICEBERG DE PROBLEMAS

Compartilhe: Twitter

O Oklahoma City renovou o contrato de Serge Ibaka (foto) por mais quatro anos em troca de US$ 48 milhões. Eu contei isso a vocês no post de ontem. Os torcedores ficaram eufóricos, mas os dirigentes estão apreensivos.

Isso porque, com a renovação do congolês naturalizado espanhol, o OKC tem comprometido nada menos do que US$ 42,35 milhões com apenas três jogadores: Ibaka, Kevin Durant e Russell Westbrook. E se formos adicionar a esse número o salário de Kendrick Perkins, ele pula para US$ 50,65 milhões.

Essa quantia está apenas US$ 7,39 milhões abaixo do “salary cap” desta temporada, que é de US$ 58,04 milhões. Ou seja: o OKC compromete gorda quantia de seu “cap” com apenas quatro jogadores.

E aí entra uma questão que tem tirado o sono dos dirigentes, como eu disse acima: haverá dinheiro para renovar com James Harden?

O ala-armador do Thunder tem contrato garantido até o final da próxima temporada, mas neste ano derradeiro ele será um “qualifying offer” que (até onde eu entendo esse troço do “QO” no novo CBA), o jogador escolhe se aceita ou não o último ano do contrato. Se aceitar, Harden (foto abaixo) tem direito a um aumento na ordem de 125%. Isso elevaria seu salário dos atuais US$ 7,63 milhões para US$ 17,1 milhões para a próxima temporada. E ele se tornaria um agente livre restrito, ou seja, o OKC tem o direito de igualar qualquer oferta feita a ele.

O problema é que com esses US$ 17,1 milhões, o “cap” do Thunder no ano que vem ficaria absurdamente elevado, pois somando essa quantia aos US$ 50,65 milhões já gastos com KD, West, Ibaka e Perkins, ela chegaria a US$ 67,75 milhões. Isso com apenas cinco jogadores!

A pergunta que se faz é: o OKC conseguirá fazer frente a essas despesas?

Oklahoma City, como se sabe, é um “small market”.  Não tem a força de Nova York, Los Angeles, Chicago e até mesmo Miami. O preço de um tíquete por lá é bem mais barato do que em NYC ou LA. O valor que a TV local paga pela exclusividade dos jogos da equipe no cabo é infinitamente inferior do que o Lakers fatura. E como Oklahoma City é uma cidade com apenas 1,2 milhão de habitantes em sua região metropolitana e como o time não tem a popularidade de um Lakers, Chicago ou Boston, o faturamento na venda de produtos licenciados é bem menor se comparado com as grandes franquias. Além disso, a grana levantada com a venda do “naming rights” para a Chesapeake Energy, que batizou a arena local, é de cerca de US$ 3 milhões por ano, uma merreca se comparado com os US$ 20 milhões anuais que o Nets vai ganhar da Barclays.

E tem mais; sim, tem mais: tem a “Luxury Tax”, que é a penalidade que uma franquia paga por estourar o “salary cap”. A partir da próxima temporada (2013-14), ela será de US$ 1,50 a mais por cada (desculpem a cacofonia) US$ 1,00 que exceder o “cap”. Como vimos, com apenas cinco jogadores o OKC já estoura o teto salarial em US$ 9,71 milhões. Só com eles o Thunder teria que pagar US$ 14,56 milhões de multa. Mas há um bônus de acordo com o CBA que permite uma franquia ultrapassar o “cap” em US$ 14 milhões sem ter que pagar a “Luxury Tax”. Desta forma, dá para o OKC renovar com Harden sem ter que pagar qualquer penalidade por isso.

Ma se formos levar em conta o complemento do grupo, essa quantia, que está em US$ 67,75, pode chegar a US$ 90 milhões. Como uma franquia começa a pagar a “Luxury Tax” a partir de US$ 72 milhões, esses US$ 90 milhões pulam para US$ 117 milhões, se eu não errei nas contas.

Volto a perguntar: o OKC tem como fazer frente a essa gastança toda? A realidade do Thunder, como vimos acima, não é das melhores.

Sam Presti, o GM do Thunder, é um gênio. Montou um timaço do nada, apenas recrutando jogadores do “college” ou do exterior. Mas à medida que o tempo passa, o time se valoriza e a gastança começa.

Lembro-me de um amigo que ganhou uma grana de herança do avô. Ele pegou o dinheiro e comprou uma BMW. Pagou-a à vista.

Veio a primeira revisão e meu amigo quase caiu de costas. Na segunda, quase foi à falência. Não houve terceira: ele vendeu o carro.

Será que o OKC vai ter um dia que abrir mão de seus jogadores por inadimplência? Se tiver, será uma pena. E isso deixará claro que o campeonato da NBA é mesmo um campeonato espanhol, onde apenas dois ou três têm grana pra gastar, enquanto que os outros se divertem apenas chupando pirulito.

Autor: Tags: , , , , ,

segunda-feira, 18 de junho de 2012 NBA | 11:43

PERKINS E IBAKA REAGEM E OKC MOSTRA QUE PODE VENCER EM MIAMI

Compartilhe: Twitter

Não houve necessidade alguma de Scott Brooks sacar Kendrick Perkins do time. A mudança veio com o próprio jogador. Mais ativo e atento no ataque, o pivô do Oklahoma City anotou oito pontos no primeiro tempo (igualou a pontuação dos dois jogos anteriores), pegou sete rebotes (quatro deles no ataque) e, com isso, o Thunder não se viu encaixotado pelo Miami no início da partida (como havia acontecido nos dois jogos anteriores). Levou o jogo no pau até o soar definitivo da buzina.

E mais: Serge Ibaka marcou mais em cima Shane Battier, esquecendo-se um pouco da ajuda a Perkins no garrafão. E o resultado foi que Battier, ao invés dos 17 pontos que fez em cada um dos dois jogos anteriores, anotou nove. No primeiro jogo da final arremessou quatro bolas de três; no segundo, cinco. Ontem, só duas.

A mudança de comportamento desses dois jogadores fez com que o OKC disputasse em pé de igualdade a partida do começo ao fim, ao contrário do que ocorreu nos dois jogos anteriores, quando o Thunder foi um desastre nos dois quartos iniciais. Um pivô que entrou em quadra com o ego machucado depois de ter lido e ouvido críticas a respeito de sua produtividade ofensiva. Um ala de força envergonhado por estar perdendo a batalha diante de um jogador que atua improvisado na posição.

Isso, apenas isso, repito, fez o OKC mudar da água para o vinho. Ontem, finalmente, pudemos ver um Thunder bem mais próximo daquele Thunder que passou por cima de Dallas, Lakers e San Antonio e chegou com méritos a esta final.

Perdeu, é verdade, perdeu por 91-85, mas deixou claro que pode recuperar o mando de quadra em um dos dois próximos jogos em Miami. O Heat vai ter que fazer ajustes para não passar o sufoco que passou ontem à noite, quando chegou a ficar dez pontos atrás no marcador durante o terceiro quarto.

Ótimo! A série estará garantida.

NÚMEROS

Ontem Russell Westbrook não arremessou 25 bolas contra a cesta adversária. Foram 18. Sete a menos. Mesmo assim o OKC perdeu. Kevin Durant arremessou 19 bolas, uma a menos do que no jogo um e três a menos do que no jogo dois. Mesmo assim, o OKC perdeu.

E por que perdeu? Muito pode ser explicado pelo baixo aproveitamento do OKC nos lances livres: 15-254 (62,5%). Enquanto isso, o Miami fez 31-35 (88,6%).

Mas tem mais: Kevin Durant jogou 6:19 minutos no terceiro quarto. Jogou menos do que o habitual porque cometeu sua quarta falta a 5:41 minutos do final. O OKC vencia a partida por 60-54. Daquele momento até o final, o Heat fez uma corrida de 15-7, recuperou-se no jogo, fechou o terceiro período na frente em 69-67 e entrou embalado no último quarto, vencendo-o por 22-18, fechando a partida em 91-85.

Foi o segundo jogo consecutivo que Durantula tem problemas com as faltas. Isso é grave, pois o OKC precisa dele em quadra e não sentado no banco de reservas, carregado de faltas.

COLAPSO

A falência do OKC no jogo se dá exatamente a partir da saída de Kevin Durant do jogo a 5:41 minutos do final do terceiro quarto. Somando esse tempo aos 12 minutos do quarto derradeiro, o Thunder teve um desempenho muito ruim. Além de ter perdido a vantagem de dez pontos no marcador (64-54, atingido logo depois de KD ir para o banco), a equipe anotou apenas 21 pontos em 16:30 minutos, com um aproveitamento de 7-25 nos arremessos (28,0%). Além disso, cometeu sete erros nesse espaço de tempo.

Convenhamos, não dá para vencer com um desempenho desses no momento crucial da partida, por mais que Kendrick Perkins e Serge Ibaka tenham mudado seus comportamentos.

MAGINÍFICOS

Novamente os Três Magníficos do Miami brilharam.

Novamente LeBron James (foto Getty Images) voltou a se destacar. LBJ marcou 29 pontos e foi o cestinha do time e do jogo. Pegou incríveis 14 rebotes, cinco deles de ataque.

Novamente Dwyane Wade jogou num nível que dele se espera. Fez 25 pontos, quatro a menos que LBJ, e ajudou ainda com seus sete rebotes e sete assistências. Nos dois últimos jogos, ou seja, nas duas últimas vitórias do Miami, D-Wade acumula médias de 24,5 pontos, 6,5 rebotes e 6,0 assistências. Números consistentes.

Novamente Chris Bosh voltou a mostrar que a contusão no abdômen é fato que pertence ao passado. Ontem foram dez pontos (3-12, esse foi o problema) e 11 rebotes, quatro deles ofensivos. Teve ainda dois tocos. Jogou 37:06 minutos. Nos dois últimos cotejos, quando recuperou o status de titular do time, CB1 ficou em quadra uma média de 39:04 minutos.

Os três juntos anotaram 64 dos 91 pontos do Miami. Ou seja, 70,3%.

EXTRA

No jogo passado, vitória em Oklahoma City, o banco do Miami fez oito pontos. Ontem, dobrou a pontuação. O maior responsável por isso foi James Jones, que ajudou com meia dúzia. Jones tem entrado aos poucos no time e tem correspondido. Em OKC foram apenas 5:35 minutos; ontem, 12:14. A continuar assim, merecerá mais minutos no jogo de amanhã, o que possibilitará a LBJ e D-Wade entrarem mais descansados no último quarto, quando tudo se resolve na maioria dos casos. E ontem, descansado, LBJ jogou os 12 minutos finais em cima KD e limitou o ala do OKC a apenas quatro pontos, ele que tinha marcado 17 no primeiro jogo e 16 no segundo.

XADREZ

Esta série final tem sido como um jogo de xadrez. Erik Spoelstra tem sido mais esperto que Scott Brooks, pois mexe melhor suas peças. Ontem, o técnico do OKC deu sinais de que não está derrotado.

Aguardemos, pois, pelos próximos capítulos.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

domingo, 17 de junho de 2012 NBA, outras | 12:47

MIAMI TENTA A PARTIR DESTA NOITE CONTRARIAR ESTATÍSTICA DA NBA

Compartilhe: Twitter

Às 21h de Brasília a bola sobe para o terceiro jogo da série melhor de sete entre Miami e Oklahoma City. Desta vez — e nos dois outros jogos também —, o confronto será no sul da Flórida. Se o Heat, diante de seus fãs, vencer essas três contendas, faz 4-1 no embate e sagra-se campeão pela segunda vez em sua curta carreira como franquia da NBA.

Não é fácil. Desde que o formato 2-3-2 foi adotado, em 1985, em apenas duas ocasiões o time da casa venceu as três partidas: o Detroit em 2004 e o próprio Miami dois anos depois. E ambos os times ganharam o campeonato. Ou seja, em 26 ocasiões, em apenas duas delas o time da casa venceu seus três compromissos. Percentualmente: 7,7%.

Como disse, não é fácil. Mesmo dentro de casa. Em finais, não existe grande disparidade técnica entre as equipes e do mesmo jeito que se perde em casa, ganha-se fora. O OKC, creiam, estatisticamente está vivo; estatística e tecnicamente, pois o time é muito forte.

MUDANÇAS

Como disse no texto de ontem, o Thunder precisa fazer alguns ajustes no seu time. O principal deles passa por sacar Kendrick Perkins do time. Ele tem que ser opção de banco, para o descanso de companheiros ou mesmo para alguma mudança tática durante o cotejo. Perkins como titular, como foi explicado no post passado, não está funcionando.

A saída de Perkins, a mim, significaria a entrada de James Harden, passando Kevin Durant para a ala de força quando o time estivesse defendendo. Desta forma, os chutes de três de Shane Battier seriam marcados, pois, como bem disse nosso parceiro Rodolfo, “com Perkins em quadra, a defesa de Battier fica com o (Serge) Ibaka, que fica mais preocupado em fechar o garrafão para as infiltrações de (Dwyane) Wade e LeBron (James) e em dar tocos, e acaba esquecendo Battier livre na linha dos três pontos”. Perfeito.

Some-se a disso o fato de que Durant, RW0 e Harden (foto Getty Images) jogaram juntos, nestes dois primeiros jogos, apenas 10:14 minutos dos 96 disponíveis. Ou seja, 10,5% do tempo. Isso foi limitado por problemas de faltas, mas também tem a ver com decisões de Brooks. Um equívoco. Os três, tidos como o sustentáculo da equipe, têm que estar juntos, em quadra, o maior tempo possível.

Outro dado importante para mandar Perkins para o banco: com um time mais baixo (com Perkins de fora), o OKC venceu o Miami por 127-103.

Vendo esta situação eu me lembro de uma frase do falecido presidente Vicente Matheus, que governou o Corinthians durante muitos anos, distribuídos em oito mandatos. Dizia Matheus: “Técnico não ganha jogo; mas perde”.

ESTILO

Russell Westbrook está no olho do furacão. Ou, se você preferir, na berlinda. Tudo por conta de seu estilo agressivo, de seu olhar fixo na cesta adversária. Ou, se você preferir, pelo seu estilo “fominha” de ser.

Nestes dois primeiros jogos finais, RW0 arremessou 50 bolas contra a cesta do Miami. Quatro a mais do que LeBron James, oito a mais do que Kevin Durant (cestinha das três últimas temporadas da NBA) e dois a menos do que James Harden, Thabo Sefolosha, Serge Ibaka e Derek Fisher juntos.

West arremessou 25 bolas no primeiro jogo e mais 25 no segundo. Dado interessante e importante: quando ele chuta 25 bolas em uma partida (incluindo os playoffs), o OKC tem um recorde de 7-7. Quando arremessa menos de 25, o recorde é de 53-16.

“Não vou mudar meu estilo de jogo, não importa o que as pessoas achem e não importa o que vocês (jornalistas) achem”, disse Westbrook na sessão de mídia de ontem à tarde, já em Miami. “O que eu vou continuar fazendo é dar 110% de mim em todos os jogos, como sempre fiz”.

Além de sacar Perkins do time, Scott Brooks precisa ter uma conversa séria com Westbrook. Não para pedir para ele arremessar menos, mas para pedir para ele ler com mais atenção as partidas.

TRANQUILIDADE

Enquanto o OKC queima a pestana para resolver seus problemas, o Miami navega em mares tranquilos.

LeBron James, apesar da queda de produção nos últimos quartos, tem tido um desempenho notável não apenas neste “NBA Finals”, mas em todos os playoffs também. Neles, LBJ tem médias de 30,8 pontos, 9,5 rebotes, 5,0 assistências e 2,0 desarmes. Diante do OKC, suas médias são 31,0 pontos, 8,5 rebotes, 4,5 assistências e 2,5 roubos de bola.

A performance de Dwyane Wade no segundo jogo diante do Thunder foi de lembrar o velho D-Wade. Anotou 24 pontos, com um aproveitamento de 10-20 nos arremessos. Ajudou também com mais seis rebotes e cinco assistências.

E Chris Bosh confirmou também neste segundo embate que não tem qualquer limitação física por conta da lesão muscular no abdômen. Foi titular pela primeira vez desde que saiu do departamento médico e jogou por 40:23 minutos. Marcou 16 pontos e pegou 15 rebotes, sete deles no ataque.

Se esses três jogadores atuarem em um nível de excelência, por mais que os três do OKC joguem no seu máximo, na somatória do desempenho o trio do Miami leva a melhor, pois é melhor, apesar da grandeza de Kevin Durant. Se isso acontecer, o Miami pode (repito: pode) fazer três vitórias em casa.

Isso tudo, no entanto, é teoria e teoria se encaixa bem no papel. Na quadra são outros quinhentos.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

sábado, 16 de junho de 2012 NBA | 14:21

KENDRICK PERKINS COMPROMETE OKLAHOMA CITY NESTE ‘NBA FINALS’.

Compartilhe: Twitter

O mundo está criticando Russell Westbrook por conta de seu desempenho no segundo jogo da série contra o Miami. Quem puxa a fila é Magic Johnson. Comentei o tema ontem (se você não leu, clique aqui). Meu xará Fabio Balassiano também fala com propriedade sobre o assunto. Vai igualmente na linha de Magic (clique aqui).

Embora ambos não tenham dito taxativamente que West foi o responsável pela derrota, atribuíram a ele boa dose de culpa pelo revés. Eu, no entanto, vejo a questão sob outro prisma. Creio que a discussão não deva ser feito em cima do armador do OKC, que tem médias de 27,0 pontos, 9,0 assistências e 8,0 rebotes nestas finais. Quase um “triple-double”. A discussão, a meu ver, tem que ser em cima de outro jogador que, discretamente, tem comprometido o Thunder. E nos dois jogos. Seu nome? Kendrick Perkins.

O pivô do OKC (foto Getty Images) tem sido um desastre até o momento na série final da NBA. Nesta decisão, tem médias de 4,0 pontos, 7,5 rebotes e 0,0 assistência. Com ele em quadra, o OKC perde para o Miami. E isso tem ocorrido por conta dos inícios dos prélios.

No primeiro quarto do jogo 1 desta série final, o Heat fez 24-15 com Perkins no jogo. Ele saiu a 2:44 minutos (jogou 9:16 minutos) do final. No segundo quarto, atuou 6:01 minutos e o OKC fez 17-13. No terceiro, Perkins jogou mais 9:25 minutos e quando saiu, a 2:34 minutos do final, o OKC tinha feito 19-17. No último quarto, com o OKC na frente em 74-73, Perkins não jogou. E o Thunder fez 31-21 para fechar a partida em 105-94. Resumo da ópera: com Perkins jogando o Miami venceu o OKC por 54-51, sendo que o quarto inicial foi o responsável por essa debacle.

No segundo jogo o cenário foi devastador. O Miami iniciou com um 21-6 até Scott Brooks tirar Perkins de quadra, a 3:40 do final (atuou por 8:20 minutos). Ficou todo o segundo no banco, que terminou empatado em 28 pontos. No terceiro, Perkins jogou 11:03 minutos e o OKC fez 22-21. No último período, ele só entrou a sete segundos do final, quando LeBron James bateu os dois lances livres que confirmaram a vitória do Miami. Nele, igualmente sem Perkins, o OKC venceu o Heat por 29-22. Ou seja: no segundo jogo, com Kendrick em quadra, o Heat venceu o Thunder por 42-28.

O que mais compromete, como disse, são os inícios dos jogos. Nos dois confrontos realizados até agora, o Miami fez 45-21. No primeiro embate, o Thunder encontrou fôlego para reverter o marcador; no segundo, faltou ar.

Por que Perkins compromete? Porque não faz absolutamente nada no ataque. É peso morto.

No primeiro jogo, no quarto inicial, quando o Miami fez a tal da corrida em 24-15 com Perkins jogando 9:16 minutos, o pivô do OKC zerou na pontuação e pegou três rebotes defensivos. No segundo, nos 8:20 minutos em que participou da partida no quarto inicial, novamente não pontuou, embora tenha pegado seis rebotes (três deles ofensivos).

Como digo sempre, jogador tem que pontuar. Jogador que não pontua, não adianta. Limita a ação ofensiva de seu time, pois o adversário tem que marcar quatro ao invés de cinco jogadores.  Costuma flutuar em cima dele, facilitando a dobra nos outros quatros atletas.

O Miami não tem pivô. Às vezes joga com Chris Bosh e Udonis Haslem juntos. Em outras situações, com um dos dois e LeBron James ou Shane Battier como ala de força. Mesmo assim, Perkins não consegue tirar proveito de seu tamanho e de sua força diante dos “baixinhos” do Miami. Terminou o primeiro jogo com apenas quatro pontos; no segundo, repetiu a dose. E no jogo 2, não foi de grande valia nem na defesa, que, dizem, é seu forte. O Heat fez 48-32 nos pontos no garrafão.

FUTURO

Assim como no futuro, a meu ver, vão desaparecer os armadores obtusos, aqueles que acham que sua função é primeiro servir para depois pontuar (não existe ordem nenhuma durante uma partida. O armador tem que sentir o jogo e ver o que tem que ser feito: ou pontuar ou armar. O desenho do embate é que vai dizer isso. O que o armador tem que ter é sensibilidade para fazer a leitura correta do jogo), assim como no futuro vão desaparecer os armadores obtusos, esses pivôs que não sabem atacar, que apenas marcam, tenderão a desaparecer também.

Volto a dizer: jogador que não sabe o que fazer com a bola nas mãos não serve. É como relógio que atrasa: não adianta. Jogador de basquete, como está sempre no ataque e na defesa (ao contrário do futebol), tem que saber jogar no ataque e na defesa. Defender é importante; atacar também. Mas jogador que está na NBA e que participa de time que está na final da liga, tem que saber fazer as duas coisas. Perkins não consegue. Faz apenas corta-luz e briga por rebotes. Muito pouco.

O Miami ataca sempre com cinco jogadores. Os que estão em quadra sabem pontuar. O Heat não tem um jogador desses, como Perkins, que não sabe o que fazer quando tem a bola nas mãos e tem o dever de encestá-la, pois o horizonte se abre a ele.

Para valer a pena um jogador desses jogando, ele tem que fazer coisas extraordinárias. Ano passado, o limitado Tyson Chandler (foto Getty Images) defendeu muito. Ajudou nos “screens” e pontuou algumas vezes aproveitando-se do “pick’n’roll”. Mas o que Chandler fez mesmo foi compensar sua inabilidade ofensiva com muita defesa. Perkins, até o momento, não consegue ser o Tyson Chandler do OKC. Como vimos, pois com ele em quadra o Miami está à frente no marcador.

Desta forma, se eu fosse Scott Brooks, começaria o jogo deste domingo (21h de Brasília) com Kendrick Perkins no banco. Sairia com West, Thabo Sefolosha, James Harden, KD e Serge Ibaka. Colocaria Nick Collison no rodízio quando o Miami escalar Chris Bosh e Udonis Haslem ao mesmo tempo. E usaria Derek Fisher no rodízio dos alas. Faria como o Miami, que usa basicamente sete jogadores: Mario Chalmers, Dwyane Wade, Shane Battier, LeBron James, Chris Bosh, Udonis Haslem e Norris Cole.

O Heat parece ter achado sua formação ideal. Quase venceu o primeiro jogo destas finais e ganhou o segundo. O OKC tem que fazer o mesmo. Caso contrário, pode se complicar na busca do título inédito depois do novo batismo.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

domingo, 3 de junho de 2012 NBA | 13:28

KEVIN DURANT ATROPELA O SAN ANTONIO NO ÚLTIMO QUARTO E OKC EMPATA A SÉRIE EM 2-2

Compartilhe: Twitter

Foi o jogo de Kevin Durant; ou melhor, foi o quarto de KD. O último. Ele marcou nada menos do que 18 de seus 36 pontos neste período e liquidou com a defesa do San Antonio. E esses 18 tentos significaram também recorde na carreira do ala em se tratando de último quarto de um jogo de playoff.

O jogo estava duro, disputado, no pau, com o SAS no espelho retrovisor do OKC, procurando uma brecha pra tomar a dianteira. Mas Durantula não deixou. Sozinho, com seu talento, sem esquema tático nenhum, apenas a expressão pura de seu talento, nada além disso, ele foi lá e resolveu. Pedia a bola. Recebia. Driblava. Arremessava. E pontuava.

Kevin Durant (foto Getty Images) ganhou o jogo para o Oklahoma City Thunder. A vitória de 109-103 tem que ser atribuída a ele.

TÁTICA

Gregg Popovich armou uma tática muitíssimo interessante para tentar surpreender o OKC. Apertou a marcação em Kevin Durant, Russell Westbrook e James Harden, contando que os outros não dariam conta do recado. Mas eles deram.

Serge Ibaka esteve soberbo. Marcou nada menos do que 26 pontos e acertou 11 de seus 11 arremessos. Kendrick Perkins fez 15 pontos! Isso mesmo, 15 pontos; dá pra acreditar? E os oito de Nick Collison foram igualmente importantes. Os três combinaram para 49 pontos, acabando com a estratégia de Popovich.

Nos três primeiros quartos, KD, West e Harden fizeram, juntos, 26 pontos. Ibaka, Perkins e Collison tinham 43.

Mas aí veio o último quarto…

PERIGO 1

Russell Westbrook está rateando nesta final de conferência. Nos quatro primeiros jogos tem média de apenas 15,2 pontos. Mas o ruim da história é o seu aproveitamento: 34,3%; 24-70.

Na série contra o Lakers, o aproveitamento de West foi de 48,5% e diante do Dallas foi de 45,3%.

Sinal de alerta tem que estar ligado. Se West melhorar seu aproveitamento, o OKC pode surpreender o SAS fora de casa. Caso contrário, fica difícil.

HISTÓRIA

Aos mais jovens eu conto uma rápida história.

Tim Duncan, há alguns anos, tinha trauma de ir à linha de lance livre. Era muito ruim seu aproveitamento. Seu pior momento foi na temporada 2003-04: 59,9%. Foi aí que começou seu bloqueio. Mas Timmy, persistente que é, não parava de treinar. Por isso, na temporada seguinte o desempenho melhorou: 67,0%. Mas continuava ruim. Em 05-06, caiu novamente: 62,9%. Os treinamentos não estavam surtindo efeito. Ou será que era o pavor de ir à linha de lance livre que o incomodava? Em 06-07 ele fez 63,7%. Foi então que Timmy mudou seu posicionamento na linha fatal: fechou os pés, encontrando os bicos, formando um ângulo de uns 45 graus. Posicionamento horrível do ponto de vista estético. Mas ele começou a acertar os lances livres. Seu melhor momento foi no campeonato seguinte, quando teve aproveitamento de 73,0%. De lá pra cá, fica mais ou menos em torno disso.

História contada, voltemos ao presente. No jogo de ontem, Timmy foi muito mal na linha do lance livre: 3-7 (42,8%). Desempenho digno de DeAndre Jordan ou Reggie Evans.

Por conta disso, acho que Scott Brooks poderia tentar um “Hack-a-Shaq” em cima de Tim Duncan no próximo jogo em San Antonio se o OKC estiver em desvantagem ou vendo sua vantagem ser ameaçada. Se o desempenho de ontem foi fruto de novo trauma, a tática pode surtir efeito.

SHOW

A cada jogo que passa eu fico mais fã de Kawhi Leonard. O “rookie”, descoberta do GM R.C. Bufford, fez 17 pontos. E ajudou na marcação de Kevin Durant, anulando o ala do OKC em boa parte do jogo. No final, não obteve sucesso, pois KD fez o que fez, como sabemos. Mas não foi apenas Kawhi quem fracassou no final: Durantula foi marcado também por Manu Ginobili e Stephen Jackson.

Mas, volto a dizer, sou fã de carteirinha de Kawhi, 15ª escolha no draft passado.

PERIGO 2

Tiago Splitter foi novamente um fiasco. Jogou apenas 5:34 minutos. Saiu zerado de quadra. Perdeu tempo de quadra para DeJuan Blair, que jogou 9:36. Nos dois primeiros jogos da série, Blair esquentou o banco o tempo todo.

Se o catarinense não melhorar, será ele — e não Blair — a esquentar o banco do SAS nos próximos jogos.

E tinha gente neste botequim que dizia que Splitter era melhor que Nenê e Varejão.

Autor: Tags: , , , , , , , , ,

sábado, 19 de maio de 2012 NBA | 13:00

EM NOITE RUIM, LANCES LIVRES LIVRAM A CARA DE KOBE E LAKERS VENCE OKC

Compartilhe: Twitter

O Lakers respira. Respira graças à mão calibrada de Kobe Bryant quando o assunto foram os lances livres. Kobe (foto Getty Images) foi um gigante no final da vitória de ontem diante do Oklahoma City por 99-96. De seus últimos dez pontos, oito foram feitos na linha fatal. KB colocou a bola debaixo do braço no ocaso da partida e disse: o jogo é meu,  vou ganhá-lo pra vocês. E com ela debaixo do braço chamou as faltas que queria, para bater os lances livres que o time precisava. Com isso, o Lakers venceu e diminuiu o déficit em relação ao OKC, que agora lidera a série por 2-1. Foi, aliás, a primeira derrota do Thunder nestes playoffs.

O desempenho de Kobe ao longo do cotejo, no entanto, não foi bom. Tomou seis tocos e cometeu muitos erros. A estatística da contenda fala em dois equívocos e quatro tocos, mas quem viu o jogo viu também que Kobe errou muito mais do que isso e foi barrado nos arremessos mais do que este quarteto de vezes.

Eu já falei sobre isso aqui neste botequim: não confio muito na estatística da NBA. Ela, como os árbitros, protege os grandes jogadores. O conceito de assistência, por exemplo, é muito vago. Um protegido passa a bola para o companheiro, esse recebe-a, sai da marcação e arremessa acertando o alvo: assistência contada. Se é um mané que passa a bola e o companheiro faz o mesmo, a estatística não conta.

Em 2004, em Oakland, vendo um jogo entre Golden State e Denver (Erick Dampier e Nenê Hilário quase saíram no tapa), fui seguindo Nenê. Ao final da peleja, tinha computado um número X de rebotes para ele. Quando recebi o “box score” do jogo, vi que ele tinha dois rebotes a menos. Estranhei. No vestiário, conversando com o são-carlense, comentei o assunto. E perguntei: será que os caras mudam os números? Nenê preferiu não responder, mas deu um sorriso maroto revelador.

Ontem aconteceu o mesmo em relação a Kobe. Em determinado momento do jogo, eu estava aflito, pois KB não conseguia atacar. Levava toco ou perdia a bola. Na estatística, como disse, aparecem quatro tocos levados durante a partida. Eu computei seis. Será que dois deles a estatística entendeu que foram “air ball”? Sei lá. E os erros? Onde foram parar os outros enganos de Kobe? Sei lá.

Kobe ganhou o jogo, mas uma vez mais foi mal nos arremessos de quadra. Fez 9-25, exatamente a mesma marca da segunda partida da série, em Oklahoma City. Neste confronto, está com aproveitamento de 36,7% nos arremessos, pois errou 43 de suas 68 tentativas.

Kobe poderia ter tido mais dificuldades no final e o OKC poderia ter vencido se Scott Brooks tivesse deixado Kevin Durant em sua marcação nos momentos derradeiros. Quando Durant desempenhou esse papel, o aproveitamento de KB foi muito ruim. Quando James Harden ou mesmo Russell Westbrook estavam marcando, Kobe se deu melhor. Thabo Sefolosha teria sido outra boa alternativa. Mas o suíço ficou no banco todo o quarto final.

Outra observação: Andrew Bynum fez 2-13. Assim como Kobe, conseguiu um duplo dígito na pontuação por conta dos lances livres: 11-12. Pergunto: o que Kendrick Perkins fazia em quadra no quarto final? Marcando um jogador que não estava levando o menor perigo quando tinha a bola nas mãos? Por outro lado, vale a resposta: Bynum estava mal exatamente porque Perkins não o deixava jogar. Valia fazer um teste e deixar Perkins de fora por alguns minutos e ver como Bynum se comportaria sendo marcado por Serge Ibaka, com Durant vigiando Pau Gasol. Com isso, Derek Fisher ou mesmo Sefolosha poderia estar no jogo e serviriam de opção ofensiva ao OKC. Perkins, ofensivamente falando, é quase nulo. Marcou apenas quatro pontos no quarto final, sendo que dois deles saíram de lances livres e os dois derradeiros nos segundos finais, quando Bynum correu em cima de Durant para dobrar a marcação e Perkins ficou sozinho. Além disso, o pivô do OKC não pegou nenhum rebote no último quarto. Perkins terminou a partida com seis pontos e dois rebotes. Deu quatro tocos, é bom registrar, pois o número é significativo e importante. Mas, resumo da ópera, creio que seria válido Brooks pensar no OKC em jogos como este sem Perkins em quadra nos momentos derradeiros, pois ele, como disse, é nulo atacando.

Em entrevista ao jornal “O Estado de S.Paulo”, no último domingo, Rubén Magnano, um dos maiores da atualidade, técnico (felizmente) da nossa seleção, disse o seguinte: “Sou um treinador cujo foco maior é o aspecto defensivo. Quando eu era mais jovem, diziam que o basquete era 70% defesa e 30% ataque, ou 80% e 20%. Não, basquete é 50% e 50%”. É isso mesmo: se não houver equilíbrio, não tem jeito. De que adianta ter um cara como Kendrick Perkins em quadra se ele não sabe pontuar? Ou: de que adianta ter um cara em quadra que não sabe defender? A menos que sejam gênios, como foram Dennis Rodman e Oscar Schmidt.

Perkins não é gênio. É apenas um bom marcador, mas que deixa o time com quatro atletas em quadra quando ele ataca. E no ataque, seus corta-luz, se bem observado pela arbitragem, são quase todos faltosos. Se marcados, comprometeria muito a ofensiva da equipe.

Hoje tem mais. Isso mesmo, hoje tem mais: 23h30 de Brasília. Dois jogos seguidos. Alguém perguntou: como o Lakers, um time mais velho que o OKC, se comportou quando jogou seguidamente? Foram 24 jogos nesta situação e o desempenho foi de 12-12. Portanto, nada a temer, muito embora em playoff o desgaste seja muito maior.

Hoje é dia novamente para irmos dormir lá pelas 3h da madrugada. E espero que seja como ontem, com os times trocando liderança no marcador a cada ataque. Que seja como ontem, quando o jogo parecia estar sendo jogado seguindo um roteiro de Hollywood.

Por causa de partidas como a desta madrugada que eu digo sempre que quem criou o bordão “I Love This Game” é um gênio. Neste caso, no ataque e na defesa.

IGUALDADE

O Philadelphia igualou a série diante do Boston com a vitória de 92-83. Esta quarta partida, no entanto, em seu começo dava a entender que os verdinhos sairiam vencedores novamente. Mas o C’s parece ter gastado toda sua munição no primeiro quarto, quando fez 24-12. Fechou o primeiro tempo na frente em 46-31. Mas veio o segundo tempo e como os caras do Sportscenter gostam de dizer, “second half: different half, different history”.

O Sixers fez uma corrida de 61-37 e venceu o jogo. Venceu impulsionado por Andre Iguodala (foto Getty Images) e Lou Williams, este vindo do banco. Ambos anotaram 26 pontos, divididos igualmente durante o período. Venceu porque esteve bem no aproveitamento dos chutes nesta etapa final (22-43; 51,2%), venceu porque pegou mais rebotes nestes 24 minutos derradeiros (28-17), venceu porque foi um time mais solidário (14-9 nas assistências), venceu porque errou menos (4-8) e venceu principalmente porque seu banco foi muito mais profícuo, vencendo o duelo contra os reservas do Boston por 34-7.

O confronto, como disse, está empatado em 2-2. A série volta para Boston. Depois retorna para a Filadélfia e, se preciso, termina em Massachusetts. Vai ser mesmo preciso?

REFLEXÃO

O ótimo site “Jumper Brasil” escreveu um texto ontem dizendo, entre outras coisas, que se o Miami perder seus Três Magníficos torna-se um time comum. Mas eu perguntei a eles: e os outros não ficam também?

Se tirarmos Kobe Bryant, Pau Gasol e Andrew Bynum, o que sobra do Lakers? Se tirarmos Kevin Durant, Russell Westbrook e James Harden, o que resta do OKC? E se tirarmos Rajon Rondo, Paul Pierce e Kevin Garnett, o que podemos aproveitar do Boston? Se subtrairmos Tim Duncan, Manu Ginobili e Tony Parker, o que ficará do SAS? No Chicago, nem precisa tirar três, tira-se Derrick Rose e Luol Deng, o que podemos aproveitar? E o Clippers sem Chris Paul e Blake Griffin, como fica?

Portanto, mais do que o elenco de apoio, os “Big Three” têm que funcionar. Se eles funcionarem, os que gravitam a seu redor tornam-se importantes aos olhos de todos. Se não funcionarem, viram porcarias.

Autor: Tags: , , , , , , , , , ,

sexta-feira, 20 de abril de 2012 Jogos Olímpicos de Londres, NBA | 11:56

COMO FICAM OS EUA SEM DWIGHT HOWARD NOS JOGOS OLÍMPICOS DE LONDRES?

Compartilhe: Twitter

A notícia é fresquinha, fresquinha: Dwight Howard será submetido a uma cirurgia para resolver um problema de hérnia de disco e não jogará mais esta temporada. E mais: está fora dos Jogos Olímpicos de Londres, que começam no final de julho próximo.

Com D12 (foto AP) fora, a pergunta que fica é: os EUA ainda são favoritos para conquistarem a medalha de ouro olímpica?

Os norte-americanos têm problemas com seus pivôs, ao contrário dos selecionados europeus, que esbanjam grandalhões pelas quadras. Sem Dwight Howard, sobrou apenas Tyson Chandler como jogador da posição. Os outros “big fellas” do time são Chris Bosh, Kevin Love e Blake Griffin, todos ala-pivôs.

Dá pra encarar com esses quatro? Pode ser, até porque em Pequim apenas D12 era o único pivô de ofício. Bosh e Carlos Boozer (que mal entrou em quadra) completaram o garrafão, que contou com o auxílio de Carmelo Anthony em muitas oportunidades, especialmente quando os EUA marcavam zona. Melo, nesses casos, chegou a jogar até de pivô.

Mas caso Mike Krzyzewski queira substituir Dwight, há três alternativas: Andrew Bynum, Roy Hibbert e Kendrick Perkins. A melhor alternativa, com certeza, é Bynum que eu, como já disse, joga de igual para igual com D12.

Bynum é tão forte como Howard e tem muitos recursos ofensivos. Lembra, guardadas as devidas proporções, Shaquille O’Neal, que foi um jogador que se notabilizou na NBA pelo seu jogo ofensivo, muito mais que o defensivo. Bynum é um artilheiro nato. E na defesa, embora não seja um grande marcador, pega muitos rebotes, o que ajuda pra burro. É, sem dúvida, a melhor alternativa a Dwight Howard.

Embora jovem e inexperiente, Hibbert tem tamanho, físico e razoável técnica, sendo eficiente ofensivamente, assim como Bynum. Perkins é um jogador limitado no ataque, mas é muito bom na defesa. Some-se a isso o fato de ele ter mais experiência. Os dois surgem como alternativas caso Bynum não aceite a convocação.

Se Bynum não aceitar, quem eu chamaria? Como Perkins se aproxima mais de Chandler, eu apostaria numa convocação de Hibbert, que surge como uma alternativa, o que não ocorre com o pivô do OKC. Quando o perímetro estiver sufocado, bem marcado, e precisar jogar no pivô, com Hibbert isso é possível; com Perkins, não.

Mas vamos aguardar pelas novidades. Vamos ver se Jerry Colangelo, presidente da USA Basketball, o homem que faz as convocações e não o Coach K, como muitos imaginam, vamos ver o que Colangelo vai fazer — se é que vai fazer.

Com Bynum no time os EUA não ficam comprometidos. Se ele não for a Londres, os EUA perdem um pouco o seu poder de força, mas não a ponto de comprometer o ouro olímpico.

Autor: Tags: , , , , , , , ,

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012 NBA, outras | 19:15

MINHA CONSCIÊNCIA PESA QUANDO O ASSUNTO É OKLAHOMA CITY E KEVIN DURANT

Compartilhe: Twitter

Não tenho o hábito de ver o Oklahoma City Thunder jogar. Confesso que o time não me atrai. Custou para eu me render ao jogo de Kevin Durant. Mesmo assim, não o incluo entre os jogadores espetaculares desta liga, como LeBron James, Dwyane Wade, Derrick Rose e Kobe Bryant.

O Thunder está quase que perfeito. Desce redondo, como diz o reclame de cerveja. É o vice-líder da NBA com uma campanha de 24 vitórias e apenas sete derrotas. Está em segundo lugar porque o Miami, líder geral, fez uma partida a mais e venceu, chegando a 78.1% de aproveitamento, contra 77,4% do OKC.

Mas, sei lá, falta alguma coisa no time da terra dos tornados para me seduzir definitivamente.

Acho que é como comparar Neymar a Lucas. São dois grandes jogadores, mas Lucas não tem appeal — e, claro, joga menos bola do que Neymar. Mas trata-se de um grande jogador também. Mas não tem appeal. Ninguém deixa de fazer o que está fazendo para vê-lo jogar; mas muitos param de fazer o que estão fazendo para ver Neymar em ação.

KD é assim pra mim: é um baita jogador, mas eu não perco minhas horas de sono para vê-lo em exibição. Sinto que estou em débito com vocês e comigo mesmo. Mas eu não posso trair meus sentimentos, embora minha consciência esteja pesada.

Ontem, diante do Denver, Durant barbarizou. Pela primeira vez na carreira ultrapassou a barreira dos 50 pontos. Para ser exato, chegou aos 51. E fez 19-28 (67,9%) nos arremessos de um modo geral e 5-6 (83,3%) nas bolas de três. Nos lances livres, 8-10 (80,0%). Um espetáculo, como não; um espetáculo que eu não vi porque confessei a vocês que tenho estado refratário ao OKC.

Bobo de mim.

Mas não foi somente KD quem barbarizou e me deixou com a consciência ainda mais pesada: Russell Westbrook fez 40 pontos! Quatro dezenas de pontos que se somaram a nove assistências e o transformaram em um dos símbolos desta vitória do Thunder.

Os dois juntos, vocês devem ter percebido, anotaram 91 dos 124 pontos do OKC na vitória sobre o Denver, que anotou 118 e foi para o vestiário chupando o dedo. 91 pontos significam 73,4% da pontuação. Muita coisa.

Mas deixei para o final o que mais me chamou a atenção: o “triple-double” do espanhol Serge Ibaka: 14 pontos, 15 rebotes e 11 tocos! Isso mesmo: 11 tocos! Não é fácil dar 11 tocos, mas este nativo da República do Congo tem o dom de dar tocos. Isso nasce com o cara, pois há que se ter tempo de bola, impulsão e inteligência para perceber quando o trouxa vai cair na armadilha. Na foto AP, um deles em cima de Aaron Aflalo.

Fico imaginando esse time com Nenê Hilário no pivô. Sim, Nenê, pois Kendrick Perkins, por mais que a mídia americana queira atribuir qualquer virtude a seu jogo, ele não passa de um pivô fraquinho, fraquinho. Nenê daria o toque de qualidade que esse time precisa para ser encarado como um definitivo e sério contendor do Oeste.

É um dos melhores times da NBA? Claro que é. Mas é agora. Será que será quando os playoffs chegarem?

Esta é a minha dúvida.

Autor: Tags: , , , , , ,

terça-feira, 17 de janeiro de 2012 NBA | 11:28

OKC E LAKERS FIZERAM VITÓRIAS MARCANTES. ATAQUE DO BULLS PREOCUPA

Compartilhe: Twitter

Dois foram os jogos que marcaram a rodada de ontem: em Boston, o Celtics perdeu novamente, desta feita para o Oklahoma City (97-88), e em Los Angeles em um final emocionante, o Lakers venceu o Dallas.

Fiquei muito impressionado com o que vi do OKC. Time forte defensivamente, com Thabo Sefolosha ditando o ritmo defensivo, marcando em cima Ray Allen e contagiando seus companheiros, que fizeram o mesmo e anularam as principais jogadas do adversário.

Thabo fez quatro dos 12 desarmes do Thunder na partida, fundamento em que o time da terra dos tornados saiu-se vencedor, pois permitiu que apenas meia dúzia de suas bolas fosse surrupiada pelo oponente.

O nome do jogo? Não foi Kevin Durant. Embora KD tenha terminado a partida com 28 pontos, sete rebotes e quatro assistências, o nome do jogo foi Russell Westbrook: 26 pontos, sete rebotes, quatro assistências e três roubos de bola.

Russell (foto Getty Images) foi o nome do jogo porque a dois minutos do final da contenda, com tudo ainda indefinido, ele deu um passe na medida para Sefolosha encestar uma bola de três e levar o marcador em 86-80 para o OKC.

O Celts respondeu com uma bandeja de Rajon Rondo: 86-82, a 1:47 do final.

Na sequência, Russell meteu uma bola tripla: 89-82.

Mickael Pietrus respondeu pelo Boston na mesma moeda: 89-85. O TD Garden ficou em polvorosa, achando que aquele chute desferido era o prenúncio de que a vitória viria, de virada, colocando um ponto final na sequência de quatro revezes seguidos.

Faltava apenas 1:13 para o soar definitivo da buzina. Tempo tinha — e de sobra, pois estamos falando de basquete.

Mas Westbrook não deixou. No ataque seguinte, ele meteu outra bola de três, nocauteando as pretensões do alviverde de Massachusetts: 92-85. O cronômetro do telão central mostrava que faltavam 51 segundos.

Tempo havia para uma reviravolta. Mas o Boston sabia muito bem que a cada golpe encaixado, Westbrook responderia com outro na mesma medida ou talvez mais poderoso.

FINAL

Em quase todo o último quarto, os dois times jogaram com quatro jogadores abertos e apenas um pivô. Do lado do Celtics, Kevin Garnett; do lado do OKC, Kendrick Perkins, que, registre-se, voltou a Boston pela primeira vez e foi merecidamente saudado por todos.

Quatro jogadores abertos, apenas um pivô. Quatro jogadores que sabem jogar bola, um brucutu a menos.

Foi como se tirasse um volante de contenção de um time de futebol e colocasse um meia de aproximação.

O jogo ficou muito mais bonito.

INCÔMODO

Desde que o “Big Three” foi formado, na temporada 2007-08, nunca o Boston tinha perdido cinco partidas seguidas. Ontem, com a derrota diante do OKC, o Celtics enfileirou meia dezena de jogos sem vencer.

O ar está pesado. Doc Rivers parece não encontrar solução para os problemas do time.

Kevin Garnett nem de longe lembra o jogador dominante de seus tempos de juventude. Ray Allen foi uma pálida amostra do pistoleiro implacável, destemido.

Com esses dois jogadores praticamente fora de combate, fica difícil vencer. E comprovou-se isso ao final da partida de ontem uma vez mais.

KG e Allen são os dois jogadores que mais comprometem o trabalho do Celtics em tentar se reerguer para voltar a ser um contendor temido no Leste. O time está hoje fora do G8. Isso quer dizer que se o campeonato terminasse agora, estaria fora dos playoffs.

Doc Rivers precisa aumentar o tempo de permanência em quadra de Mickael Pietrus e dar outra função a Allen. O novo papel a ele atribuído, penso eu, seria o de vir do banco de reservas para mudar o cenário da partida.

Esta é a única alternativa que encontro, de momento, para mudar a situação, pois KG não tem um substituto do calibre de Pietrus, por mais que Brandon Bass esteja sendo útil.

BINGO!

Como gostam de dizer os locutores: bingo! Sim a bola de três que Derek Fisher meteu a três segundos do final, levando o placar aos definitivos 73-70, foi daqueles chutes que ficam na memória da gente por um bom tempo ou mesmo definitivamente, dependendo do grau de relacionamento do torcedor com o evento.

Essa bola ilustra bem a principal função de Fish (foto AP) no time do Lakers: ele é um armador arremessador e não um armador de jogo. Sempre foi assim. A principal função de Fish era meter essas bolas de três para 1) dar tranquilidade ao time na partida; 2) colocá-lo no jogo; 3) levar a equipe à vitória.

Então, quando algum torcedor diz: “Fish não dá assistências!”. Não dá mesmo. Este nunca foi o papel dele no time.

O Lakers, como se sabe, nunca teve um armador. Agora, com a chegada de Mike Brown, o sistema mudou e um armador se faz necessário.

OFENSIVA

O Chicago levou um couro do Memphis no Tennessee. O placar final, 102-86, não retrata o que ocorreu em quadra. A vantagem do Grizzlies chegou a 26 pontos e poderia ter ultrapassado a casa dos 30.

O Bulls jogou sem Derrick Rose. E sem D-Rose o Bulls não é o Bulls. Sem D-Rose o Bulls é um time comum.

O que mais me preocupou no jogo de ontem foi que o Chicago esteve completamente perdido em seu ataque. Era um bando e não um time. Mostrou que não tem variações ofensivas, mostrou que se D-Rose não jogar a vaca pode ir para o brejo na maioria dos jogos.

Tom Thibodeau, o treinador do Bulls, é um homem alucinado por defesa, mas parece se esquecer que o ataque é mais importante.

Os dois maiores times de basquete das últimas duas décadas, o Chicago de Michael Jordan e o Lakers de Shaquille O’Neal e Kobe Bryant, foram equipes que se notabilizaram pelo seu ataque e não por sua defesa.

Defender exige preparo físico, inteligência e disposição. Atacar exige tudo isso e habilidade com a bola, que é a parte mais difícil no jogo: ter a bola sob posse e saber o que fazer com ela; ter a posse de bola e saber arremessar.

Os grandes jogadores não são aqueles que se destacaram por suas defesas. Os grandes jogadores foram e são aqueles que se destacam por conta de sua qualidade técnica com a bola nas mãos, por sua capacidade de ganhar partidas.

Por isso, Thibs tem que olhar o jogo de ontem com carinho e tentar resolver esse problema ofensivo do Chicago quando Derrick Rose não está em quadra. Caso contrário, quando o melhor armador do planeta não puder jogar, a chance de perder um jogo importante é maior do que ganhar.

O Bulls tem que ter alternativas para isso se quiser ganhar o campeonato.

Autor: Tags: , , , , ,

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011 NBA | 17:36

PREVISÕES PARA A TEMPORADA 2011-12 DA NBA

Compartilhe: Twitter

Depois de meses de angústia e indefinição, quando muitos chegaram a pensar que a temporada não aconteceria, eis que neste domingo, dia 25, ironicamente no dia de Natal, ganhamos o presente que tanto queríamos: a bola subirá pela primeira vez e começa o campeonato da NBA, o mais importante, charmoso, rentável, disputado, imbatível e apreciado de todo o planeta.

Os times já estão praticamente montados. Dificilmente teremos uma troca bombástica (“blockbuster”), pois o Orlando disse que não negocia Dwight Howard nos próximos meses e que muito provavelmente ele jogue toda a temporada na Flórida.

Portanto, já podemos fazer uma análise sobre os favoritos. Não, não vou analisar os 30 times do campeonato. Vou falar apenas daqueles que eu acho que vão fazer algo de importante no torneio.

LESTE

Queiram ou não, podem chorar os fanáticos se quiserem, mas o Miami Heat segue tendo no papel o melhor time da NBA. Na quadra, quase confirmou isso na temporada passada, mas acabou se curvando ao jogo coletivo do Dallas.

Dwyane Wade, LeBron James e Chris Bosh, juntos, formam o melhor “big three” da liga.

O time do sul da Flórida manteve intacto seu núcleo. Melhor do que isso: contratou o excelente Shane Battier, jogador que, ao que tudo indica, se encaixará perfeitamente no sistema implantado pelo técnico Erik Spoelstra.

Com ele, o que se comenta na Flórida é que Spoelstra vai usar muito LBJ como ala-pivô, aproveitando mais Battier no time principal.

É o meu favorito para ganhar a conferência.

Seu grande oponente será, uma vez mais, o Chicago Bulls. Assim como o Miami, manteve seu núcleo ileso. Assim como o Miami, fez uma contratação superimportante: Richard Hamilton.

Apesar de seus 34 anos, Hamilton não mostra declínio físico e nem técnico. Vejo em quadra o mesmo vigor dos tempos de Detroit.

Com Rip no time, a pressão em Derrick Rose diminuirá; com Rip no time, a equipe ficará mais rápida; com Rip no time, as bolas longas se tornarão mais mortais ainda e não serão privilégio apenas de Kyle Korver.

Tom Thibodeau segue no comando da equipe, que ele transformou numa máquina defensiva. No último campeonato, o Bulls foi a melhor defesa da nação, seguido pelo Miami.

Como na temporada passada, deverá fazer a final do Leste contra o Miami e, como na temporada passada, deverá ser batido novamente.

Com a adição de Baron Davis, o New York Knicks terá um armador muito melhor do que teve em Chauncey Billups. O problema é que Davis não tem uma saúde de ferro. Se estiver mais resistente, o time renderá muito mais do que na temporada passada.

Pra quem é mais jovem eu digo: Davis era o Chris Paul de sua geração.

A contratação de Tyson Chandler foi outra boa notícia para a franquia nova-iorquina. Com ele, o NYK ganha em força defensiva e para entrar em seu garrafão os adversários vão ter que pedir licença.

Chega fácil à semifinal do Leste.

Tudo bem que o “Big Three” do Boston Celtics está um ano mais velho, mas segue sendo ainda uma imensa ameaça para os adversários. E Rajon Rondo, não se esqueça, é o armador do Celtics, tido por muitos como o melhor “point guard” da NBA.

O problema do Boston vai ser o rodízio. Jeff Green, que ajudaria no descanso de Paul Pierce e Ray Allen, perderá toda a temporada por causa de um problema cardíaco. Brandon Bass será o responsável pelo repouso de Kevin Garnett, mas, sinceramente, eu não sei por que o Celtics preferiu-o ao invés de Glen Davis. E mais: quem será o substituto de Rajon?

Com esses problemas no banco, pode ter dificuldade para atingir a semifinal. A menos que o “Big Three” se supere fisicamente.

A grande ameaça ao Boston é o Orlando Magic. Claro, isso se o time não perder Dwight Howard.

Jameer Nelson é um ótimo armador, mas o problema dele é o mesmo de Baron Davis: as seguidas lesões. Se Jameer puder jogar pra valer, ao lado de Jason Richardson, Hedo Turkoglu, Glen Davis e D12, repito, serão uma ameaça e tanto para o Boston atingir uma das semifinais.

O Indiana Pacers tem tudo para tomar a vaga do Atlanta Hawks na relação dos favoritos do Leste. O time de Indianápolis manteve sua base e ainda adicionou dois ótimos jogadores: David West e George Hill.

O dinheiro gasto com West, no entanto, eu teria investido em outro atleta, pois o Indiana conta com Tyler Hansbrough para a posição e não haveria a necessidade desta aquisição. Como disse em outro post, Tyler pode ser o Taj Gibson do Pacers.

Sobram duas vagas que serão disputadas, no tapa, por Atlanta Hawks, New Jersey Nets, Milwaukee Bucks e, mais atrás, o Philadelphia 76ers.

OESTE

“Não subestimem o coração de um campeão”. A frase é do ex-treinador Rudy Tomjanovic, dita logo após a conquista do título da Conferência do Oeste no torneio 1994-95. O Houston, então campeão da NBA, tinha se classificado apenas em sétimo lugar e foi comendo pelas beiradas e chegou ao título não apenas da conferência, mas também da NBA.

Conto essa história porque o Dallas Mavericks não pode ser subestimado. Ganhar um campeonato do jeito que o Mavs ganhou na temporada passada mostra que o basquete não se limita apenas a grandes jogadores reunidos em um mesmo time. É preciso ter uma filosofia por trás de uma equipe campeã.

E isso o técnico Ricky Carlisle conseguiu implantar nos texanos. E contou, claro, com uma atuação soberba de Dirk Nowitzki, que calou os críticos que apontavam o dedo para o alemão o tempo inteiro chamando-o de “amarelão” — e, diga-se, com razão.

Pois esse time estará de volta nesta temporada e reforçado por Lamar Odom.

Sim, eu sei, Tyson Chandler deixou a franquia e esse, realmente, é um grande problema, pois não houve substituição à altura. Brandon Haywood, reserva de Chandler, será agora o titular e não tem o mesmo quilate.

Outra perda importante: DeShawn Stevenson deve se transferir para o New Jersey. Embora reserva, sempre que entrava trazia consigo não apenas qualidade técnica, mas uma garra impressionante, que se tornou símbolo da conquista passada.

Como eu compactuo com a frase de Rudy T., o Dallas é um dos favoritos para chegar à final do Oeste.

Seu grande adversário será o Oklahoma City Thunder. Como no Leste, acredito que a final da temporada passada tem tudo para ser repetida.

O OKC ganhou mais um ano de conjunto e experiência. O calcanhar de Aquiles do time segue sendo o pivô: se o Thunder tivesse investido em um jogador como Nenê ao invés de Kendrick Perkins, teria se dado muito melhor.

Mas com a saída de Jeff Green, Serge Ibaka virou titular como ala-pivô e com mais minutos em quadra ele melhorou dramaticamente seu jogo. O “Rei dos Tocos” da NBA vai ter que dar uma mãozinha para Perkins para que o time não se veja em inferioridade nos duelos dentro do garrafão.

Mas o diferencial do OKC é mesmo Kevin Durant. Para muitos, o homem que substituirá Kobe Bryant quando o astro do Lakers pendurar seu par de tênis.

Não chego a tanto, mas vejo em KD um jogador extraordinário, apto a comandar um time para um título da liga brevemente.

Os dois jogos que o Los Angeles Clippers fez diante do Lakers na “pre-season” credenciaram o primo pobre de LA a um lugar de destaque na conferência. Chris Paul foi a melhor e mais bombástica contratação desta temporada.

CP3 é, ao lado de Derrick Rose, o melhor armador da NBA na atualidade. E o Clippers sentirá sua força em quadra.

E quem vai ganhar com isso serão seus companheiros, principalmente Blake Griffin, um jogador de explosão e extremamente talentoso, que precisa de um cara como CP3 para que seu jogo se desenvolva ainda mais. E isso tem tudo para acontecer.

E não se esqueça que esse time tem ainda a experiência de Chauncey Billups, o talento de Caron Butler e força física e a qualidade técnica de DeAndre Jordan.

Se der química, apesar do técnico Vinnie Del Negro, o Clippers tem tudo para chegar à final do Oeste.

O Los Angeles Lakers está entre os favoritos da conferência, claro que está. Afinal, como deixar de lado um time que tem Kobe Bryant? Impossível não se sensibilizar com o jogo deste que é o melhor atleta da NBA depois da era Michael Jordan.

O grande problema dos ricaços de Los Angeles é que o time clareou demais. Todos seus reforços são brancos — e a gente bem sabe que o basquete nos EUA é um esporte preferencialmente de negros.

Jason Kapono, Josh McRoberts e Troy Murphy foram as conquistas da franquia. Em compensação, houve um recrutamento de um “moleque” do college que dá pinta de que será muito bom de bola: Darius Morris.

Morris vem para uma posição que o Lakers é carente: a armação. Gostei muito do que vi na primeira partida da série contra o Clippers, a única, aliás, que ele participou.

Dallas, OKC, Clippers e Lakers. Como se vê, quatro times em condições idênticas para conquistar o título do Oeste. Acontece com esta conferência o mesmo que ocorre com o Campeonato Brasileiro de futebol: o nivelamento é maior do que no Leste. Nesta conferência, a diferença do Miami para os demais é mais acentuada.

O San Antonio Spurs segue na frente do Memphis entre os meus favoritos. Não se esqueça que Manu Ginobili, por irresponsabilidade de Gregg Popovich, contundiu-se na última partida da fase de classificação, quando tudo estava definido, e jogou com o braço lesionado por pequenas fraturas durante os playoffs.

Resultado: o time foi eliminado pelo Memphis.

Se Popovich não fizer bobagens e se der tempo de quadra para que Tiago Splitter desenvolva seu jogo, o alvinegro texano segue sendo uma das forças do Oeste. Mas claramente num nível abaixo dos quatro mencionados anteriormente.

O Memphis Grizzlies perdeu Darrel Arthur por toda esta temporada, mas, em compensação, poderá contar com Rudy Gay, que se ausentou dos playoffs passados por conta de uma lesão. Na balança, o time mais ganha do que perde.

De resto, tudo como dantes no quartel de Abrantes. E o que isso quer dizer? Que o mesmo time que causou sensação nos momentos decisivos do torneio passado estará novamente em quadra, pois Marc Gasol, que poderia ter se mandado, renovou seu contrato com a franquia, no melhor lance dos executivos durante a “off-season”.

Sobram duas vagas. E quem vai brigar por elas? Não necessariamente nesta ordem, mas acho que Portland Trail Blazers, Houston Rockets e Denver Nuggets são os candidatos mais fortes a elas.

Mas não podemos nos esquecer do Minnesota Timberwolves. Se Ricky Rubio e Derrick Williams jogarem, juntos com Kevin Love, Michael Beasley e Wesley Johnson poderão fazer do time da cidade que no passado abrigou o Lakers uma das sensações desta temporada.

EPÍLOGO

Pra não me furtar a finalizar os meus palpites, pra mim a final desta temporada será entre Miami Heat e Oklahoma City Thunder. E o Miami será o campeão.

Mas eu gostaria demais que fosse entre Chicago Bulls e Los Angeles Clippers. E não preciso dizer quem eu gostaria que fosse o vencedor.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. Última