Publicidade

domingo, 18 de setembro de 2011 Basquete europeu | 19:23

ESPANHA: UM TIME IMBATÍVEL? PERTO DISSO…

Compartilhe: Twitter

Não dá para ganhar da Espanha. E a Espanha é o único selecionado que pode ameaçar o reinado dos EUA, desde que os norte-americanos contem com Kobe Bryant, LeBron James e Dwyane Wade. Se os estadunidenses aparecerem com um selecionado sem essas estrelas, corre o risco de colocar a prata no peito.

Não dá mesmo pra ninguém da Europa ganhar da Espanha. Na metade do terceiro quarto da final da Euroleague, bem que a França tentou reagir. Encurtou uma desvantagem que estava em 13 pontos, baixou-a para seis, depois que Joakim Noah acertou um “jump shot” (60-54).

Mas aí apareceu o MVP do torneio. Juan Carlos Navarro acertou uma pedrada de três; depois, Tony Parker perdeu a posse de bola e no contra-ataque espanhol José Calderón fez mais dois e a diferença voltou para 11 pontos.

Não tem jeito; não dá mesmo para ganhar da Espanha. Os ibéricos foram um time poderoso. Têm Navarro, Calderón, Ricky Rubio. Quer mais? Têm os irmãos Gasol, Pau e Mark, além de Serge Ibaka. Não está satisfeito ainda? Pois não: que tal Rudy Fernandez?

Um timaço; uma baita seleção. Venceu a França na decisão da Euro por 98-85 e foi bi europeu com muitos méritos.

E olha que os franceses formam um selecionado igualmente poderoso. Olhem o time francês: Tony Parker, Florent Pietrus (irmão mais velho de Mickael Pietrus, do Orlando Magic, que não participou deste Pré-Olímpico), Nicolas Batum, Boris Diaw e Joakim Noah. À exceção de Pietrus, os outros quatros jogam e se destacam na NBA.

Foi um legítimo vice-campeão. Igualmente um timaço; uma baita seleção.

Mas não dá para ganhar da Espanha.

DESTAQUES

Juan Carlos Navarro foi o cestinha do jogo com 27 pontos, seguido por Tony Parker, com 26. O reboteiro da partida foi Pau Gasol: dez. Serge Ibaka justificou o apelido de “Rei dos Tocos”: foram cinco nesta final. Boris Diaw deu sete assistências e terminou na frente de todos. José Calderón fez quatro desarmes e foi o ladrão do jogo.

Agora um destaque negativo: lembram-se que eu falei que Parker perdeu uma bola que possibilitou um contra-ataque aos espanhóis, que fizeram mais dois pontos e levaram a vantagem para 11 pontos? Pois é: o francês foi o jogador que mais erros cometeu no confronto: cinco.

Voltemos aos destaques positivos; um, na verdade: os lances livres cobrados pelos espanhóis. Foram 24, com 22 encestados, o que deu um excelente aproveitamento de 91.7%.

Que os nossos jogadores (especialmente Tiago Splitter) vejam e revejam este jogo e se atenham a este fundamento: lance livre. Foi uma aula espanhola.

PRÊMIOS

A seleção do campeonato, escolhida pelos jornalistas que cobriram o evento, foi esta: Tony Parker (França), Juan Carlos Navarro (Espanha), Bo McCalebb (Macedônia), Andrei Kirilenko (Rússia) e Pau Gasol (Espanha).

O troféu de MVP, como já disse, acabou nas mãos de Navarro, apelidado “La Bomba”. Nem precisa explicar, convenhamos.

PRÉ-MUNDIAL

Ainda bem que o Brasil se livrou desse abacaxi. Serão três vagas para 12 selecionados que vão participar do Pré-Mundial, entre junho e julho do ano que vem, em local ainda não definido.

Rússia, Macedônia, Lituânia e Grécia vão representar os povos do Velho Continente. Um desses três vai sobrar. Acho que sobra a Grécia.

Rússia, Macedônia e Lituânia devem se classificar para os Jogos Olímpicos de Londres, no ano que vem. Não acredito que nenhuma outra seleção no planeta tenha condições de roubar uma dessas vagas.

Autor: Tags: , , , , , , , , , , , ,

2 comentários | Comentar

  1. -18 Gilbercley 19/09/2011 18:30

    De fato, a Espanha tem um seleciodado de muita qualidade, um banco de respeito. Mas para por aí. Imbatível então, não acho. No jogo contra a Macedônia por exemplo a coisa tava feia, e uma desatenção e inocência do adversário, além de uma atuação monstruosa do Navarro no 3º quarto, possibilitou a vitória espanhola. Mas na minha opinião, fosse uma seleção mais experiente, com mais cancha, a coisa seria difícil.

    Em comparação com o time americano então, no papel é uma diferença absurda de elenco. Chegando ao ponto dos reservas dos EUs serem muito melhores que os titulares da Espanha. Salvo talvez Pau Gasol… mas o resto com certeza…

    Os americanos jogando a metade do que sabem, é vitoria na certa. Mas com certeza a Espanha é a segunda força.

    • Fábio Sormani 19/09/2011 18:39

      Gilbercley
      Como disse ao Jean, na final dos JOs de Pequim, os EUA penaram pra ganhar da Espanha.
      Abs.

  2. -19 Jean 19/09/2011 18:27

    Sormani, imbatível só o Dream team original, alguém importante já comentou isso no botequim hehehe. Mas considerando que os EUA vão completos e com motivação, não tem pra ninguém. Vejamos:
    Kobe/Wade/Lebron/Durant/Howard + Rose, Carmelo, Chris Paul, Deron, Randolph, Bosh e uma outra penca de jogadores que podemos lembrar. Não tem pra ninguém , ainda mais com uma rotação como esta.
    A Espanha ganha do time B dos EUA apertado ou se houver uma surpresa muuuuito grande.

    Abs

    • Fábio Sormani 19/09/2011 18:38

      Jean
      Na final dos JOs de Pequim não foi fácil para os EUA, lembra-se?
      Abs.

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. Última
  5. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.