Publicidade

terça-feira, 13 de setembro de 2011 basquete brasileiro, NBA, Seleção Brasileira | 22:59

A VERDADEIRA HISTÓRIA DAS AUSÊNCIAS DE NENÊ NA SELEÇÃO BRASILEIRA

Compartilhe: Twitter

O parceiro Aquino, do blog “Cravada”, mandou uma mensagem que deixa nós, jornalistas, corados de vergonha. Ela nos envergonha porque Aquino, advogado de profissão, fez o que nós, jornalistas, não fizemos. E não fizemos porque estávamos mais interessados em atirar pedras do que em cumprir nossa sagrada missão de informar.

E o que fez Aquino? Simples: um retrospecto de Nenê nesses quatro anos em que ele ficou de fora da seleção brasileira.

Como sabemos, a última vez que Nenê vestiu a camisa da seleção brasileira foi no Pré-Olímpico de Las Vegas (EUA), em 2007. De lá pra cá, nunca mais disputou um torneio importante com a seleção brasileira.

O que aconteceu depois disso foi o seguinte:

2008 – Pré-Mundial de Atenas – Nenê não disputou porque tinha acabado de se recuperar de uma cirurgia que extirpou um tumor maligno de um de seus testículos, que igualmente foi retirado.

2009 – Copa América de Porto Rico, classificatória para o Mundial da Turquia – Nenê não disputou porque tinha quebrado o braço nas finais da Conferência Oeste da NBA no confronto do seu Denver contra o Lakers.

2010 – Mundial da Turquia – Nenê se apresentou com uma contusão muscular na panturrilha da perna direita. Participou de toda a preparação aqui no Brasil, nos EUA e depois na Turquia, apenas treinando, sem entrar em quadra nenhuma vez para disputar uma partida amistosa. Na Europa, no teste final para ver se iria ou não participar do Mundial, foi reprovado e cortado.

2011 – Pré-Olímpico das Américas em Mar del Plata classificatório para as Olimpíadas de Londres – Pediu dispensa assim que foi convocado por conta do nascimento de seu primeiro filho.

Ou seja: o histórico mostra que a única vez que Nenê disse “não” para a seleção, neste período de quatro anos, foi neste ano. E usou como argumento o nascimento de seu primeiro filho, que nasceu depois de incertezas quanto a sua fertilidade por causa da doença felizmente vencida.

Que o torcedor não queira ver isso levado pela emoção, eu entendo. Mas nós, jornalistas, embarcarmos nesta barca furada é imperdoável, pois, como sabemos, cabe aos jornalistas informar e não deformar.

PECADO

Como disse Aquino, e eu concordo, o grande pecado de Nenê foi jamais ter se interessado em esclarecer os fatos. Ele poderia, perfeitamente, ter se defendido dessas acusações.

Contrataria um assessor de imprensa e pediria para ele mandar esse histórico para os meios de comunicação em todo o Brasil. Pronto, tudo resolvido.

Mas não; prefere, inexplicavelmente, se calar.

HISTÓRIA

Muito tem se falado sobre uma briga de Nenê com a CBB dirigida por Gerasime Bozikis, o Grego, quando de sua saída do Brasil e ida para a NBA. Conversando nesta terça-feira com Hélio Rubens, que treinava o Vasco na ocasião, e Lula Ferreira, que comandava a seleção brasileira, eles me contaram o seguinte…

Em meio ao Campeonato Brasileiro de 2002, Nenê abandonou o Vasco para fazer treinos na NBA que seriam observados por olheiros dos principais times. Nenê fez os testes, agradou e foi selecionado pelo New York Knicks, que o trocou com o Denver na mesma noite do “NBA Draft”.

Os dirigentes do Denver, depois de concretizado o recrutamento, disse ao pivô brasileiro que ele precisaria apresentar uma carta do Vasco liberando-o. Quando o então presidente do clube, Eurico Miranda, ficou sabendo da solicitação de Nenê, respondeu que só o liberaria em troco de US$ 2 milhões. Depois de muita discussão, esse valor caiu para US$ 750 mil.

Na época, a NBA autorizava as franquias a pagar apenas US$ 350 mil para um jogador que quebrar contrato — hoje essa quantia subiu para US$ 500 mil. Quer dizer: Nenê colocou do próprio bolso US$ 400 mil para conseguir o atestado liberatório do Vasco.

Além de ter ficado P da vida com o Vasco, Nenê também ficou enfurecido com a CBB (leia-se Grego) por ela não ter feito nada para evitar que ele tivesse que gastar esse dinheirão para se desligar do Vasco.

Esta foi a história que Hélio Rubens e Lula Ferreira me contaram sobre a saída de Nenê do Vasco e sua indignação com o clube e com a CBB, o que motivou seu rompimento com a entidade, embora ele tenha participado do Pré-Olímpico de 2003, em Porto Rico.

Autor: Tags: , ,

10 comentários | Comentar

  1. -70 Certeiro como uma flecha 15/10/2012 23:19

    […] Cleyton Santos*De São Paulo-SPDepois de passados mais de nove meses após marcante vitória por 83 a 76 contra a República Dominicana, que marcou o retorno da Seleção aos Jogos Olímpicos após um hiato de 16 anos, Rubén Magnano convocou seus selecionados para a disputa olímpica.E ele priorizou a qualidade, ao contrário do tal “compromisso com a nação”, como boa parte dos torcedores que nunca acompanharam basquete e que só comemoraram porque era Brasil, fizeram logo após a conquista da vaga pra Londres. Tinham que ir os melhores, e ponto final.Foram 13 jogadores no total (ainda irão mais dois atletas – Rafael Fischer, do São José e Ronald, do Brasília – que foram convidados para a fase de treinamentos), mas a tendência é o número diminuir, pois um deles (Rafael Hettsheimer) teve uma grave lesão no joelho e muito provavelmente, não irá pra Londres.Muitos odiaram, mas é de senso comum que os jogadores que fazem parte da NBA tinham que estar na lista. Anderson Varejão e Tiago Splitter não eram dúvidas para Magnano, mas as maiores interrogações se viam nos nomes de Nenê e Leandrinho.No caso de Leandrinho, o que complicou a situação foi ele ter pedido dispensa da Seleção sem um motivo específico. O jogador sempre atuou com Magnano, tanto que foi destaque da Seleção no Mundial de 2010, quando o Brasil caiu para a Argentina, que estava convivendo com o início da despedida da “Geração de Ouro”, que foi comandada pelo atual treinador da Seleção.Já em relação a Nenê, a dúvida remete ao fato de que o pivô, atualmente no Washington Wizards, não jogava pela Seleção desde 2007, no Pré-Olímpico de Indianápolis. desde então, vários problemas ocorreram com ele, e vale com isso lembrar os motivos das dispensas de Nenê [copiado deste texto do blog do jornalista Fábio Sormani, do iG]: […]

  2. -71 GUI frei 18/04/2012 23:01

    Sormani, parabéns , muito esclarecedor, otimo voltar a ter esperanças no nosso basquete. O nene eh um cara que veio de baixo e lutou muito pelas suas conquistas , e sozinho contra tudo e todos os céticos de que poderíamos ter um jogador não apenas na NBA , mas um top 3 dentre os melhores, ele é um orgulhos para nós mesmo sem vestir a camisa da seleção. E os idiots que o criticam seriam os primeiros a virarem as costas em caso de um fim de carreira sem pé de meia, como a maioria dos nossos jogadores aqui atuaram por aqui. Um abraço

  3. -72 Thiago 14/12/2011 15:44

    Na boa isso do filho dele não é desculpa – O Giba do vôlei foi para seleção disputar Olimpíadas com sua mulher aqui no Brasil prestes a dar a luz e ele acompanhou o nascimento do filho pela internet, cada um tem sua cabeça, talvez a desculpa seja outra, como em outras vezes – vai saber se foi por motivo de doping algo muito comum em atletas da NBA.

  4. -73 Alexandre 05/11/2011 3:16

    EU AXO Q ELE TA ERRADO DE FICA “P” COM A CBB. MAS NAO AXO Q ELE ESTA ERRADO EM IR PARA A “NBA” POIS LA TEM UM BASQUETE DE ALTA QUALIDADE, MUITAS ESTRELAS. POIS O BRASIL ATE ENTÃO NAO MOSTRA A MSM QUALIDADE DE BASQUETE.

  5. -74 Diego Dieb 16/09/2011 17:57

    Essa desculpa aí ta parecendo com o Hipotireoidismo do Ronaldo.

  6. -75 Carlos Martel 16/09/2011 13:19

    Fala sério!!! Até unha encravada é motivo para esse sujeito pedir dispensa! Façamos assim: ele ignora a Seleção e a gente esquece que ele existe.

  7. -76 joao paulo 15/09/2011 13:34

    Normal né…a impresa esportiva brasileira e uma piada !
    é totalmente parcial , joga pra audiência e assim vai
    pobre os que acreditam que eles são bons

  8. -77 Marcelim 15/09/2011 10:44

    O engraçado é que os desafetos do Nenê são o que há de pior no esporte brasileiro, Grego e Eurico Miranda. E o atleta é que passar por vilão.

    O mais engraçado é que muita gente acredita piamente na lorota que o Oscar seria um astro na NBA, um Larry Bird. Jogador branco bom de pontaria tem aos montes na NBA, a maioria é coadjuvante ou nem isso, fica esquentando o banco…

    • Fábio Sormani 15/09/2011 11:25

      Marcelim
      A gente jamais vai coneguir mensurar isso, mas, na minha opinião, o Oscar teria uma gde carreira na NBA. Era um ala de 2,04m qdo na época não eram todos os alas que tinham esse tamanho. Arremessava com os braços esticados, o que, com seu tamanho, dificultaria demais a marcação. E era um artilheiro. Teria médias, mole, mole, de mais de 20 pts por jogo. Seria, a meu ver, uma sensação na NBA.
      Abs.

  9. -78 Rodrigo 15/09/2011 8:46

    ENTÃO É SIMPLES!!! F A L A M E U F I L H O . . .

  10. -79 Marcus 15/09/2011 3:51

    Como já foi dito antes, apenas uma palavra simplifica, todo esta ira em cima de Nenê::::::::::

    HIPOCRISIA!!!!!!!!!!!

    Labica desse uma ai que este papo já deu….

  1. Primeira
  2. 1
  3. 2
  4. 3
  5. 4
  6. 5
  7. Última
  8. ver todos os comentários

Os comentários do texto estão encerrados.